20/10/14

Treinar Gatos, Estimular Gatos, Ambientes Cat-friendly

No seguimento do IV Congresso da PSIanimal, achámos que teriamos de partilhar todos os que nos seguem o que ouvimos especialista em gatos, Sara Fragoso, falar no congresso.

Fala-se muito de Cães, de comportamento de cães... e então os gatos?
Fazemos tantos pet sittings de gatos e percebemos que ainda há um mundo por descobrir e para partilhar com todos os cat lovers!

Enriquecimento ambiental e estimulação mental para os nossos gatos? O que é isso e qual o objectivo?

O gato é cada vez mais a opção como animal de companhia, muito provavelmente devido ao estilo de vida que temos, sempre atarefados e cada vez mais a viver em apartamentos. Os gatos têm fama de serem autossuficientes e independentes, sendo por isso considerados uma boa opção como animais de companhia. Muitos consideram que água fresca, comida nutritiva e areão limpo são as condições necessárias para que tudo corra bem… ERRADO! Todos os animais (incluindo nós, humanos) necessitam de um ambiente estimulante que promova a sua atividade física e mental. Na perspetiva do gato que vive nos nossos lares, o ambiente em que se encontra é muitas vezes aborrecido, pois não têm quase nada para fazer. Caçar, lutar, acasalar, marcar território, interações sociais diversas, evitar situações perigosas, procurar locais para descanso… entre outras atividades, ocupam o dia de um gato em liberdade! 

Como resultado de um ambiente pobre, muitos gatos podem desenvolver problemas de saúde, como o aumento de peso, e problemas de comportamento, como arranhar o sofá, miados intensos e constantes, “caçar” pernas, urinar e defecar no local errado… No entanto, muitos destes comportamentos apesar de não agradarem ao tutor são perfeitamente normais, como é o caso de arranhar o sofá. Torna-se então evidente a importância de adaptar o ambiente dos nossos lares às características e necessidades do gato. 

O Enriquecimento Ambiental (EA) pode dar a resposta necessária. O EA refere-se a objetos ou situação que proporcionamos aos nossos gatos para que possam manifestar comportamentos naturais da espécie. Ambientes enriquecidos promovem o desenvolvimento sensorial e motor, estimulam a aprendizagem e promovem o Bem-estar, evitando problemas comportamentais que em situações de intolerância por parte do tutor levam ao abandono e eutanásia. O EA é uma forma de prevenir e resolver problemas comportamentais. Voltando ao exemplo do sofá. Ninguém gosta de ver o sofá estragado, mas é normal e importante (é um comportamento de marcação com a função de comunicar) para o gato poder manifestar este comportamento. Para resolver esta questão e ficarem todos satisfeitos, devemos dar ao gato uma alternativa e colocar um arranhador onde possa fazer a marcação. Desta forma o comportamento natural, que constitui uma necessidade comportamental, irá continuar a ser manifestado mas dirigido a um alvo adequado, tornando-se em algo aceitável por parte do tutor.

As estratégias de enriquecimento ambiental utilizadas para implementar estas alterações, podem ser bastante diversas e, na maior parte dos casos, não exigem um investimento económico e são relativamente fáceis de executar. Obviamente que a escolha dos itens a utilizar ou dos desafios apresentados dependem das particularidades do gato em questão, tais como idade, experiências anteriores, estado de saúde e preferências individuais. 

Que dicas podemos dar aos donos para tornar a nossa casa mais acolhedora para os nossos gatos (mais cat-friendly)?

Tal como nós temos a nossa casa organizada por zonas os nossos gatos também precisam de ter um território organizado segundo os seus padrões. Partilhamos a casa com eles, mas algumas necessidades são diferentes das nossas e a forma como olham o mundo é também distinta. O que fazer? O segredo é tentar olhar para a nossa casa na perspectiva do próprio gato. A nossa casa é o território do gato! Será que a forma como organizamos os seus recursos faz sentido? Provavelmente não. Tal como nós o gato precisa de zonas de descanso, zonas de lazer, zonas para comer, zonas para beber, zonas para urinar e defecar. É desta forma que organiza o seu espaço quando se encontra em liberdade. Em nossa casa, acontece com bastante frequência estas zonas estarem extremamente próximas (água, comida, caixa de areia e cama lado a lado) o que gera stress e leva o gato a procurar outras zonas para manifestar alguns comportamentos (por exemplo, se a cama está próxima da caixa de areia, pode levar o gato a urinar no tapete da divisão ao lado!). Distribuir os recursos pela casa é importante. A localização dos recursos também pode ser um problema. Devem estar em sítios calmos em que os gato se sinta confortável. Por exemplo, um gato pode não utilizar a caixa de areia porque esta se encontra junto à máquina de lavar roupa. É suficiente que algumas vezes que procura caixa de areia se assuste com o ruído da máquina e evite lá voltar. Urinar noutro local da casa vai ser provavelmente o resultado da má localização.

O número de possibilidades e forma de apresentação dos recursos são outros factores a ter em conta. Quanto ao número de possibilidades (comedouros, bebedouros, caixas de areia, etc), é importante dar alternativas ao gato em situações de conflito/receio para o caso de haver alguma coisa que impossibilite acesso a determinado recurso. Esta situação é frequente em casas com mais do que um gato, em que um deles pode impedir o acesso de outro à caixa de areia. Por este motivo aconselha-se que o número de caixas de areia seja igual ao nº de gato + 1 (isto é, se tiver 2 gatos, aconselham-se 3 caixas) e que sejam colocadas em locais diferentes. No que toca à forma de apresentação, podemos referir a comida e a água. A comida em vez de ser colocada numa taça pode ser dada num dispensador de comida ou através de um jogo (jogos cognitivos onde têm que ultrapassar um desafio para conseguir comida). Desta forma para além de terem acesso a comida, estão a ser estimulados mentalmente e fisicamente, o que, entre outras coisas, poderá satisfazer o comportamento natural de caça. Água parada ou corrente? Muitos gatos preferem água corrente em vez da que é oferecida numa taça. Essa preferência é muitas vezes manifestada pelos pedidos incessantes dirigidos aos donos para lhes darem água no lavatório do wc, banheira, pia da cozinha… Um alternativa é a fonte de água. Desta forma têm acesso a água corrente e promove-se a ingestão de água, que tantas vezes é motivo de preocupação uma vez que a ingestão reduzida está relacionada com problemas orgânicos, como problemas renais.  

“Sim, o meu gato tem brinquedos.” “Sim, tem arranhadores à disposição.” Na perspectiva do dono estes recursos estão disponíveis, e para o gato? Disponibilidade não significa que estão a ser utilizados e se não estão quer dizer que não cumprem a sua função. Garantir que o gato brinca com determinado objeto e que mantém o interesse é fundamental. Uma estratégia muito simples é deixar os brinquedos em locais definidos e verificar se estão noutro sitio… se assim for quer dizer que esteve a brincar. Para manter o interesse podemos utilizar uma estratégia que muitos pais utilizam com os seus filhos. Ter uma caixa para os brinquedos e fazer a gestão dos brinquedos, apresentando apenas alguns de cada vez e ir trocando com que estão na caixa. Para além da brincadeira solitária também devemos estimular a brincadeira social. Fazê-los correr atrás de bolas que tiramos ou de penas/fitas que agitamos são duas possibilidades eficazes e económicas. No que se refere ao arranhador, também não é suficiente existir um em casa. Colocar o arranhador em zonas com significado social (por exemplo, junto aos sofás, pois é um local onde normalmente se recebem as visitas que trazem odores estranhos ao ambiente do gato) e junto a zonas de descanso são normalmente as preferidas pelo gato.

Destaca-se ainda a importância de uma zona segura. É um local tranquilo que o gato pode utilizar sempre que quiser, especialmente quando tem medo ou está desconfortável com determinado estímulo. Exemplo disso é o gato que não aprecia determinadas visitas. Sempre que aparecem deve ter a possibilidade de se refugiar. Assim evitam-se situações de stress intenso para o gato e a possível manifestação de comportamentos indesejados, como agressividade por medo. Quem define se um local é uma zona segura é SEMPRE o gato! A possibilidade de explorar o ambiente na vertical é muito significativa para a gestão de stress de um gato. Sendo por natureza predador e presa, em situações de conflito/medo o gato tende a procurar locais mais elevados para se sentir seguro… das alturas consegue controlar melhor os estímulos que PERCECIONA como ameaçadores!    

Treinar gatos é possível. Em que situações pode ser fundamental treinar o nosso gato?

É possível treinar um gato? Para quê treinar um gato? Apesar de ainda pouco utilizado em gatos, o treino positivo, é possível e importante. Têm capacidade de aprender, só temos que conhecer o seu comportamento e aquilo que pode ser utilizado para os motivar a trabalhar – o reforço. Torna-se portanto essencial o conhecimento dos princípios básicos da aprendizagem e aquilo que os motiva. Nada de excepcional… o mesmo se passa com as outras espécies! 

Treinar um gato é muito mais do que conseguir que faça alguns truques, é uma forma de Enriquecimento Ambiental que promove interacção social connosco, importante para conhecermos melhor o nosso companheiro e ele nos conhecer a nós (o treino exige observação e comunicação de ambas as partes). Este aspecto torna-se ainda mais importante quando estamos a trabalhar com uma espécie que é tão subtil na sua comunicação, como é o caso do gato.
É divertido para nós e para o gato e ajuda ainda a prevenir problemas comportamentais, muitas vezes resultantes de frustração e falta de actividade, podendo também ser útil no estabelecimento de rotinas desejáveis. Recomendo vivamente!

Por outro lado, se houver algum problema comportamental, pode ser uma ferramenta de extrema utilidade para alterar a situação. Comportamentos como agressividade, eliminação inapropriada, mobília arranhada estão entre as principais queixas. Diferentes estratégias podem ser utilizadas de forma concertada na modificação comportamental para resolução do problema. O treino integrado num plano de modificação comportamental pode trazer diversas vantagens. Entre elas destaca-se a possibilidade de promover o autocontrolo e a utilização de comportamentos aprendidos como ferramenta, na medida em que em determinada situação se pode pedir um comportamento aprendido em substituição do comportamento não desejado. Pode ainda ser usado como um instrumento de “recuperação” de animais de centros de recolha de forma a torná-los mais calmos e meigos e, desta forma, mais “adoptáveis”, aumentando simultaneamente a probabilidade de uma adopção bem sucedida. Todas as valências do treino acima referidas podem ser resumidas na grande vantagem do treino em contribuir para o Bem-estar do gato.


video


Gato: Fugas, 2014 (Canil Municipal de Sintra)
O Fugas faz vários comportamentos quando é pedido. Neste caso foi-lhe pedido um senta.
Foto: Bárbara Noriega

Sem comentários:

Enviar um comentário